sexta-feira, junho 16, 2006

uma viagem...

Caros Amigos,

Não fazendo apenas deste blog um espaço de poesia, ou tentativa de a fazer, mas tendo por princípio um espaço de partilha pessoal connvosco, decidir partilhar os seguintes pensamentos.

Ontem, dia 15 de junho, feriado nacional, resolvi eu, juntamente com a "outra parte de mim", fazer um roteiro especial visitando um dos locais da conhecida "rota do Graal".
Dirão alguns de vós, passeio "domingueiro", passeio vulgar, mas para mim foi uma oportunidade no escasso tempo que as minhas obrigações escolares me permitem. De facto uma data menos boa, mas não deixa de ser uma data igual as outras, merecendo a mesma atenção, o mesmo respeito.
Chego a Tomar, Terra de Cavaleiros, Templários e seus legítimos herdeiros...Pego no livro do meu ilustre Amigo J. Medeiros, e preparo-me para iniciar um percurso por locais históricos repletos de misticismo. Vou direito a Igreja de Santa Maria do Olival, Panteão da Ordem dos Templários e dos primeiros 6 mestre da Ordem de Cristo. A ultima igreja que possuiu uma imagem do perturbante "baphomet" retirada na decada de 90, bem como, construida sobre a imagem de um pentagrama que se ergue num lindissimo vitral por detrás do altar. Leio um pequeno excerto do livro e início esta viagem pelo passado...Ou tento faze-lo!!! Assim que entro encontro um grupo de pessoa numa quase obstrução da entrada...uns agarrados a um mapa, outros numa acesa conversa de café...Escusado será dizer que se trata de uma Igreja!

Enfim restou-me continuar...Dirigi-me ao centro de Tomar, para visitar a famosa Igreja de S. João Baptista. Este Templo possui um simbolismo bastante forte, discreto a maioria, de muitas interpretações. Curiosamente o único torreão que possui, tem forma octagonal, idêntica as igrejas primitivas, reproduções do Templo do Santo Sepulcro. Debaixo desta torre encontra-se a Pia Basptismal e uma excelente pintura de S. João Baptista, Jesus Cristo e S. João Evangelista. Aqui encontrei o sossego. Praticamente deserta, permitei cumprir a vontade desta viagem...Relembrei os excelente quadros de Gregório Lopes, esclareci a minha companhia do seu significado, deixando a sua mêrce a interpretação do seu simbolismo.

Por fim, o ponto supostamente alto: Castelo dos Templários/Convento de Cristo. Sentido uma imensa responsabilidade de ser um "guia" histórico nesta viagem, lá vou soltando pequenas frases, do humilde conhecimento que tenho sobre tão magistoso edificio. Mas desiludi-me...e desiludi! Não poderia ter escolhido pior dia...pior data que um feriado...Entrei na Charola e deparei-me com uma funcionária aos gritos a proibir a multidão de turistas de tirarem fotos. Encontrei um tipo a ler um folhete em cima do altar da charola...miudos a correr, outros a gritar violando a sonoridade do silêncio merecido ( e que se deveria exigir) deste local. Será que serão assim tão ignorantes e não saibam que estão numa Igreja?! Será que não se apercebem que estão a violar o Templo?! É verdade que são pedras...mas pedras carregadas de histórias para contar, que merecem respeito por quem as quer ouvir falar...
Deveremos ser Peregrinos e não turistas....até o mais laico dos laicos deverá ser peregrino mesmo na busca do vazio.

Curiosamente acabo a viagem em fronte das águas do Tejo. Na sua margem esquerda, observando o não menos interessante Castelo do Almourol...Ai à distância da margem do rio, senti o conjunto de sensações que só esperaria sentir em Thomar...Foi um despertar tardio...mas foi um despertar...

7 comentários:

Anónimo disse...

no Corpus Christi o sr. francisco Canelas vai a Tomar! mas que bem...

eternal8 disse...

Non Nobis...

Duarte Petinga disse...

Uma edificação impar onde o Quinto Império apareçe no seu maximo esplendor, em todos os recantos do msm..Simplesmente fenomenal e eu cm estudante de Turismo, orgulho me mto do nosso Pais e de Patrimonio tao majestoso e simbolico cm este q nos leva a reflexão e a busca, do que e espiritual e q foi a raiz do q somos hoje em dia

um grande abraço Mestre

Francisco Canelas de Melo disse...

Caro Amigo Duarte,

Grande parte do Patrimonio Portuguez está envolto num simbolismo alheio aos demais. As Nações tais como os Homens tem um percurso, um Caminho, um Destino, este de facto paralelo e ao mesmo tempo parte integrante dos Homens. Existe uma consciência colectiva que se pode apelidar de Povo. Em nós reside o mito, guardado em pedras, paredes, mas também em vales e montes. Contudo o caminho do simbolismo é muito complicado. As pedras falam por elas, mas quem não tem capacidade de ouvi-las mete palavras nas suas "bocas"...Muito se tem escrito sobre sobre este tema, principalmentes grandes Portugueses como Fernando Pessoa. O ocultismo que nos foi deixado pelos nossos antepassados será sempre a chave do Futuro, resta-nos sentir e interpretar suas mensagens, compreende-las...e o resto a Nós e a Deus pertencerá...

Duarte Petinga disse...

"As pedras falam por elas, mas quem não tem capacidade de ouvi-las mete palavras nas suas "bocas" " se estas pedras nos falassem teriam e seriam de certeza, a chave para a solução de alguns enigmas q ainda hoje pressistem e que fazem do ocultismo, uma temática com cada vez mais adeptos, alheia a credos, raças e religiões..Veja-se por exemplo quem for ao Mosteiro de Sta Maria de Belem ou Jerónimos e interpretar os simbolos presentes no mesmo como as rosas, os entrelaçados, os elementos naturalistas, os elementos vegetalistas, os maritimos,simbologia manuelina, todos eles tem uma razão para estar la assim como uma interpretação, para laicos pode ser indiferente, mas para quem tem curiosidade e tem algum conhecimento sobre o mesmo, e sem duvida uma mais valia e uma forma de interpretar o q somos nos dias de hoje e para onde queremos seguir.

"Non Nobis, Domine, Non Nobis, sed Nomini Tuo da Gloriam!"

Um grande abraço Mestre

P.s. - So me falta a tao ansiada e esperada ida à Regaleira, dia esse que nunca esquecerei. :)

Mário Neves, Fidelíssimo disse...

Caro Franscisco, sei que este texto já aqui reside há muito no teu blog bem português, mas Tomar...é Tomar. No meu blog gosto de o classificar de capital do Espírito...Quem sente, diz que no Convento de Cristo se sente algo de especial. Acredito que um depositário de oração e de Fé...ali permaneça ao longo dos anos...e ainda bem. Tomar está na minha agenda, mas pf sem mulheres aos gritos...Abraço! Mário Neves.

Anónimo disse...

Por que nao:)