sábado, abril 08, 2006

Alferes do Imperium

Um Poeta
Sem(pre) poemas,
Barbas grisalhas,
Óculos de luneta,
Olhar doce e misterioso,
De um Mestre e Discípulo
Que vive num mundo parado
Esperando Algo...

Alferes da Pátria e do Império
Foi feito
Discípulo do Mestre Agostinho
Vive numa creança
Consciente dum Mundo
que nos espera...

Francisco Canelas de Melo

1 comentário:

Filipe Madrugo G. disse...

É companheiro, amigo, irmão, mestre. Testemunho a seu favor, sempre o farei. A esta alma Portuguesa, das que nas brumas sebastianistas de Avalon não se perdem, antes pelo contrário, se identificam face à sua raridade. Sente-se. É Português, é do tamanho do Mundo. Com homens assim, bem razão tem Bandarra, e "ser tudo nós podemos."